Notícia

25 de Novembro, 2020

O Papa: a Igreja é o trabalho do Espírito na comunidade cristã

“Os primeiros passos da Igreja no mundo foram ritmados pela oração”, disse Francisco na Audiência Geral.

“A oração da Igreja nascente” foi o tema da catequese do Papa Francisco na Audiência Geral, desta quarta-feira (25/11), realizada na Biblioteca do Palácio Apostólico.

“Os primeiros passos da Igreja no mundo foram ritmados pela oração”, ressaltou o Papa. “Os escritos apostólicos e a grande narração dos Atos dos Apóstolos nos restituem a imagem de uma Igreja a caminho, ativa, mas que encontra nas reuniões de oração a base e o ímpeto para a ação missionária. A imagem da Comunidade primitiva de Jerusalém é um ponto de referência para todas as outras experiências cristãs.”

 

A Igreja é obra do Espírito Santo

Segundo Francisco, “aqui encontramos quatro caraterísticas essenciais da vida eclesial: ouvir o ensinamento dos apóstolos, salvaguardar a comunhão recíproca, partir o pão, ou seja, Eucaristia, e a oração. Elas nos lembram que a existência da Igreja tem significado, se permanecer firmemente unida a Cristo, ou seja, na comunidade, na Sua palavra, na Eucaristia e na oração. É a maneira de nos unirmos a Cristo”. A seguir, acrescentou:

“Na Igreja, nada do que cresce fora destas “coordenadas” tem fundamento: para discernir qualquer situação devemos nos perguntar se existem estas quatro coordenadas: a pregação, a busca constante da comunhão fraterna, ou seja, a caridade, partir o pão, isto é, vida eucarística, e a oração. Qualquer situação deve ser avaliada à luz dessas quatro coordenadas. O que não entra nestas quatro coordenadas não tem eclesialidade, não é eclesial. É Deus quem faz a Igreja, e não o clamor das obras.”

 

“A Igreja não é um mercado. A Igreja não é um grupo de empresários que vão adiante com a empresa nova. A Igreja é obra do Espírito Santo que Jesus nos enviou para nos reunir. A Igreja é o trabalho do Espírito na comunidade cristã, na vida comunitária, na Eucaristia, na oração. Sempre! E tudo o que cresce fora dessas coordenadas não tem fundamento. É como uma casa construída sobre a areia. É Deus quem faz a Igreja, e não o clamor das obras. É a palavra de Jesus que enche de significado os nossos esforços. É na humildade que se constrói o futuro do mundo.”

 

Muitas vezes, sinto muita tristeza quando vejo uma comunidade com boa vontade, mas erra o caminho, pois pensa em fazer da Igreja um encontro, como se fosse um partido político, a maioria, a minoria, o que pensa sobre isso, sobre aquilo, como um sínodo, uma estrada sinodal que devemos fazer. Eu me pergunto: mas onde está o Espírito Santo ali, onde está a oração, o amor comunitário, onde está a Eucaristia? Sem essas coordenadas, a Igreja se torna uma sociedade humana, um partido político, maioria, minoria, se fazem mudanças como se fosse uma empresa, por maioria e minoria, mas não há o Espírito Santo. A presença do Espírito Santo é garantida por essas quatro coordenadas. Para avaliar uma situação se é eclesial ou não devemos nos perguntar sobre essas quatro coordenadas, como se desenvolve a vida nessas quatro coordenadas. Se falta isso, falta o Espírito, e se falta o Espírito seremos uma bonita associação humanista, de beneficência, até mesmo um “partido” podemos dizer “eclesial”, mas não há Igreja. A Igreja não cresce com essas coisas, não cresce por proselitismo, como qualquer empresa, cresce por atração, e quem movimenta a atração é o Espírito Santo. Não nos esqueçamos essas palavras de Bento XVI: “A Igreja não cresce por proselitismo, cresce por atração”. Se falta o Espírito Santo, que é quem atrai a Jesus, não há Igreja ali, há um bonito clube de amigos, com boas intenções, mas não há Igreja, não há sinodalidade.


Fonte: Vatican News


Horários de missa