Notícia

08 de Janeiro, 2020

Papa: União com Cristo salva do gelo da indiferença

Na 1ª Audiência do ano, nesta quarta-feira (08), Francisco retomou o ciclo de catequeses sobre os Atos dos Apóstolos e comentou a experiência do naufrágio vivida por São Paulo

Com os fiéis e peregrinos, o Papa Francisco seguiu com seu ciclo de catequeses sobre os Atos dos Apóstolos, nesta quarta-feira (08), e comentou a experiência do naufrágio vivida pelo Apóstolo Paulo e sua chegada a Malta.

Na parte final do livro dos Atos, explicou o Pontífice, o Evangelho continua a sua corrida não só por terra, mas também por mar; agora num barco, que leva Paulo, prisioneiro, de Cesareia para Roma. O Pontífice relatou que as condições da travessia eram desfavoráveis e a viagem se tornava perigosa, tendo de atracar em Creta. Paulo aconselhou a esperarem que a situação melhorasse, mas o centurião não lhe deu ouvidos e saíram para o mar alto. Desencadeou-se, porém, um vento fortíssimo, que fez a tripulação perder o controle do barco e este ficar à deriva. Quando já o desespero se apoderara de todos, Paulo interveio; mesmo na provação e apesar de não lhe terem dado ouvidos, não cessou de ser guardião da vida dos outros e animador da sua esperança.

O Santo Padre compara Paulo como um homem de fé, sabe que Deus o quer em Roma, como aliás lhe confirma um Anjo: «É necessário que compareças diante de César e, por isso, Deus concedeu-te a vida de todos quantos navegam contigo».

Na verdade, continuou Francisco, aquela viagem por mar terminaria com o barco encalhado e completamente desfeito, mas os náufragos alcançariam, a nado, a ilha de Malta, onde beneficiaram da hospitalidade dos seus habitantes. “Os malteses são hospitaleiros desde aquele tempo”, elogiou o Papa.

Naufrágio, oportunidade providencial

O Papa explicou que o naufrágio, de uma situação de desgraça, se transforma em oportunidade providencial. “É uma imersão nas águas que evoca a experiência batismal de morte e ressurreição e que faz experimentar o cuidado de Deus e a sua poderosa salvação”, frisou.

Na sequência, o Santo Padre disse que em Malta chove e faz frio e também aqui Paulo, como verdadeiro discípulo de Cristo, se coloca a serviço para alimentar o fogo da fogueira e é mordido por uma cobra, sem que nada aconteça. Segundo ele, é isso que faz com que as pessoas o confundam com um malfeitor ou uma divindade. A lenda, acrescentou Francisco, diz que desde então não existem cobras venenosas em Malta.

O Pontífice ressaltou ainda que a estada na ilha se torna para Paulo a ocasião propícia para dar ‘carne’ à palavra que anuncia e exercitar, assim, um ministério de compaixão na cura dos doentes. “Esta é uma lei do Evangelho”, disse o Papa: “quando um fiel experimenta a salvação, não a mantém para si, mas a coloca à disposição. Um cristão ‘provado’ pode certamente fazer-se mais próximo e tornar o seu coração aberto e sensível à solidariedade para com os outros.”

O amor a Deus é sempre fecundo

 

De acordo com o Papa, a lição que Paulo dá neste trecho do Evangelho é de viver as provações unindo a Cristo, certos de que Deus pode atuar em qualquer circunstância, mesmo no meio de aparentes fracassos, e toda a pessoa que se entrega a Deus por amor, seguramente será fecunda. “O amor é sempre fecundo. O amor a Deus é sempre fecundo. Se você recebe os dons do Senhor, isso o levará a doar aos outros. Sempre vai além”, ressaltou.

Francisco então concluiu:

“Peçamos hoje ao Senhor que nos ajude a viver todas as provas amparados pela energia da fé; a ser sensíveis aos muitos náufragos da história que desembarcam exaustos nas nossas costas, para que também nós saibamos acolhê-los com aquele amor fraterno que vem do encontro com Jesus. É isto que salva do gelo da indiferença e da desumanidade.”

Na Audiência, teve número de circo e, aos fiéis de língua portuguesa, o Papa desejou feliz Ano Novo: “Amados peregrinos de língua portuguesa, a minha cordial saudação para vós todos, desejando a cada um que sempre resplandeça, nos vossos corações, famílias e comunidades, a luz do Salvador, que nos revela o rosto terno e misericordioso do Pai do Céu. Abracemos o Deus Menino, colocando-nos ao seu serviço: Ele é fonte de amor e serenidade. Ele vos abençoe com um Ano Novo sereno e feliz!”


Fonte: Amex, com Vatican News


Horários de missa